Mudança de Planos



Cada instante de nossas vidas é um passo no escuro que damos. Não sabemos onde vamos parar, nem ao menos se encontraremos algum degrau ou declive onde pisamos. É natural ter medo do desconhecido. E para tentar controlar esse medo, disfarçamos nossa ignorância traçando planos.

Quando li Dom Casmurro, de Machado de Assis, encontrei vários trechos bem legais e um dos meus favoritos foi o que soube resumir bem o que acontece quando planejamos algo: "Prazos largos são fáceis de subscrever. A imaginação os faz infinitos."
Pois é, tudo parece bem simples visto de longe. Mas sempre nos assustamos quando vemos que o dia está se aproximando. É assim com as pessoas que estão prestes a se casar, ou a terem filhos, ou a mudarem de cidade. É bem aquilo que sempre nos dizem, "Depois de marcar a data, o tempo passa tão rápido que você nem percebe."

De tantos projetos que formulamos, nos permitimos pensar em como será cada detalhe e desejamos viver esse momento exatamente como planejamos. Quando eu era menor, minha família sempre viajava para a casa de meus avós, em São Paulo, a qualquer sinal de feriado prolongado. Sempre que eu ouvia falar em viagem, já esvaziava alguma mochila e colocava vários gibis, livros e o brinquedo que eu estivesse gostando mais, naquele momento. Minha mãe dizia que era cedo demais para isso, mas eu tinha medo de acabar esquecendo de algo quando o dia da viagem chegasse. E então eu passava semanas sem ter acesso a tudo aquilo que estava na mochila, para que eu não corresse o risco de ficar sem essas coisas nos poucos dias que eu ficasse em outra cidade.
É o que sempre fazemos, não é? Investir tempo e esforço em algo para sermos recompensados no futuro. Estudar para conseguir um bom emprego. Ser uma pessoa legal para sempre ter amigos. É tudo parte do plano.

Mas nem sempre as coisas acontecem como planejamos. Aliás, quase nunca. Eu tenho o costume de passar muito tempo antes de dormir imaginando como será o dia seguinte, ou um acontecimento especial. E gosto tanto de como tudo acontece na minha mente, que fico triste por ter pensado nisso e, portanto, ter tornado impossível que as coisas fossem daquela forma.

Por mais que saibamos que nada acontecerá conforme o planejado, é sempre uma decepção quando nossos combinados são frustrados. Uma viagem cancelada, um evento adiado, uma companhia que nos abandona... Tudo isso é capaz de nos desanimar. A menos que decidamos viver o momento, ainda que completamente fora do que havia sido traçado.

Afinal, não nos compete ter o controle sobre nossas vidas. O mais sensato é entregarmos tudo a Deus. "Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nEle, e o mais Ele o fará" (Salmo 37. 5)
Apenas alguém onisciente para enxergar o que nos acontecerá em qualquer circunstância. E apenas alguém que nos ama como o Pai nos ama é que poderá nos mostrar sempre o melhor caminho a seguir. Quando os planos deixam de ser nossos, jamais saem dos trilhos. "Senhor, bem sei que tudo podes e que nenhum dos Teus planos pode ser frustrado." (Jó 42. 2)

Sabendo então que Deus fará o melhor para quem confia nEle, o que fazer quando não acontece o que desejamos? Só devemos agradecer. Quando eu soube que um amigo teria que mudar de cidade, fiquei muito triste. Mas sempre que orava, sabia que aquilo era o melhor para ele e sua família. Era difícil demonstrar alegria quando ele dizia que havia visitado a cidade ou que seus pais foram conhecer a casa que iriam morar. Naquele momento, o que mais me deu forças foi uma música bastante conhecida, "Te Agradeço":
Por tudo que tens feito,
Por tudo que vais fazer,
Por Tuas promessas e tudo que és,
Eu quero te agradecer, com todo o meu ser
(...)

Muitas vezes, chorei enquanto a cantava. Mas não era de tristeza. Era por saber que teria ótimas lembranças desse amigo e que Deus tinha permitido que eu o conhecesse. Era por saber que ele seria feliz aonde estava indo. Precisamos saber agradecer pelo que já aconteceu e pelo que ainda acontecerá.

De uns meses para cá, essa música tem novamente marcado presença em minha vida. Vou ter que passar por várias mudanças até o primeiro bimestre do ano que vem. Vestibulares, despedidas, quem sabe uma escola nova, convivências novas, milhares de novas experiências. Mas vai ser tudo encaixado por Deus, para que eu não me assuste com tudo isso. Cada novidade aparecerá e será enfrentada naturalmente.

Quanto ao que deixei de escolher e poderia ter vivido?
"- Mesmo assim teria sido melhor? - pergunto Lúcia, com a voz sumida. - Mas como? Aslam, por favor, diga-me.
- Dizer o que teria acontecido? Não, a ninguém jamais se diz isso.
- Oh, que pena! - exclamou Lúcia.
- Mas todos podem descobrir o que vai acontecer - continuou Aslam. - Se voltar agora e acordar os outros para contar-lhes outra vez o que viu, e disser que eles se levantem imediatamente e me sigam... que acontecerá? Só há um modo de saber..."
(As Crônicas de Nárnia - Príncipe Caspian)

2 comentários:

Abner disse...

vivenciando casos

Anônimo disse...

momento mais dificil das nossas vidas...